|, Magistratura na Mídia, Notícias|Reportagem do “Fantástico” mostra juiz de Rio Preto na defesa de leis mais rígidas contra a pedofilia

Reportagem do “Fantástico” mostra juiz de Rio Preto na defesa de leis mais rígidas contra a pedofilia

2020-12-02T17:56:34-03:00 2 de dezembro de 2020|

Uma reportagem exibida pelo “Fantástico” no último domingo (29/11) revelou os perigos de expor fotos de crianças nas redes sociais. Isso porque criminosos têm baixado e compartilhado imagens em redes internacionais de pedofilia. Em entrevista, Evandro Pelarin, juiz da Vara de Infância e Juventude de São José do Rio Preto, defendeu leis mais rígidas para combater esse tipo de crime.

A reportagem mostrou uma operação da Polícia Civil de São José do Rio Preto que prendeu um dos suspeitos na cidade e possíveis integrantes de uma rede de pedofilia ligada a computadores russos. Com os 55 detidos foram apreendidos 311 computadores. A operação policial durou dois anos.

O homem preso em Rio Preto, que levava uma vida pacata fazendo conserto de eletrodomésticos, foi apontado como líder de uma comunidade que vendia, na internet, pacotes de assinatura mensais para acesso a fotos e vídeos de pedofilia. Com ele, foram apreendidos 200 mil arquivos de pornografia.

Ele foi levado à delegacia, pagou fiança e vai responder em liberdade. Na internet chegou a debochar da falta de leis para prender quem comete crime de pedofilia.

O juiz da Vara da Infância e Juventude Evandro Pelarin, em reportagem do “Fantástico”

Para o juiz Evandro Pelarin, a legislação precisa ser alterada urgentemente a fim de que este deixe de ser um crime afiançável.

“Nós também entendemos que seria necessária uma mudança na legislação para que essa pessoa pudesse ter, no mínimo, restrições sérias e absolutas, até no que diz respeito a contato com outras crianças. Não sabemos em que ponto essa pessoa pode reincidir”, alertou o magistrado.

A reportagem também ouviu advogados, especialistas e o brasileiro Valdecy Urquiza, que comanda equipe da Interpol na França, responsável por investigar crime cometidos contra crianças em 194 países.

Clique aqui para assistir ao vídeo na integra.